Falta de mão de obra em tecnologia força capacitação interna

De acordo com estudo, até 2019, segmento de TI enfrentará déficit de 161 mil profissionais qualificados no País

Com dificuldade para encontrar profissionais qualificados para ocupar cargos especializados, empresas de tecnologia estão optando por desenvolver programas internos para capacitar os talentos para ocupações específicas. Os treinamentos também auxiliam a diminuir a rotatividade dos colaboradores e fazem com que o profissional gere o resultado esperado pela companhia com mais eficiência e rapidez.

A Locaweb, empresa de serviços de internet, sentiu essa dificuldade em preencher vagas para cargos técnicos e decidiu por desenvolver um programa de capacitação. Intitulado Quero Ser Dev, o treinamento foi iniciado em 2015 e visa formar novos desenvolvedores. Até o momento, duas edições do projeto já aconteceram. “Nosso foco é formar os profissionais de acordo com a cultura da empresa e criarmos um banco de talentos para, assim, suprir as demandas existentes”, afirma Raquel Parente, gerente de Recursos Humanos da Locaweb.

 

Entre os resultados positivos da iniciativa, destacam-se a adaptação do jovem talento à empresa, que duraria cerca de seis meses e passou a ser de apenas dois meses, e a maior flexibilidade nos times, pois os jovens passam por diversas áreas internas no momento da capacitação. “Uma parte dos contratados já assumiu projetos mais complexos, sendo que alguns já coordenam pessoas. Além disso, a empresa ‘aprendeu’ a treinar pessoas com mais agilidade e eficiência”, completa Raquel.

A falta de profissionais qualificados no segmento de Tecnologia da Informação (TI) é um problema crônico que as empresas do setor enfrentam. De acordo com o levantamento The Network Skills in Latin America, encomendado pela Cisco à IDC, em 2015, o País teve um déficit de 195 mil profissionais qualificados. É esperado, porém, que esse número caia para 161 mil até 2019.

De acordo com Raquel, o tempo de preenchimento de vagas pode variar de três meses a seis meses, a depender da complexidade que o cargo exige. “Por isso, e por conta da alta demanda de adequação às novas tecnologias, a Locaweb desenvolveu o programa”, diz. De acordo com ela, 19 desenvolvedores júniores foram contratados desde o início do Quero Ser Dev. “Acreditamos que em 4 ou 5 anos conseguiremos diminuir drasticamente a rotatividade, que é quando esses profissionais, atualmente júniores, se tornarão sêniores, perfil com maior camada de rotatividade da companhia”, conclui.

Texto extraído do site Mundo RH.